23.4.06

Pernambucanidade


Esse é o post em comemoração ao milésimo hit desse blog, nada mais natural do que evocar o sentimento maior que me atinge, o orgulho de ser pernambucano.



Letra do Hino do Estado de Pernambuco


"Salve! Oh terra dos altos coqueiros!
De belezas soberbo estendal!
Nova Roma de bravos guerreiros
Pernambuco, imortal! Imortal!

Coração do Brasil! em teu seio
Corre sangue de heróis - rubro veio
Que há de sempre o valor traduzir
És a fonte da vida e da história
Desse povo coberto de glória,
O primeiro, talvez, no porvir.

Esses montes e vales e rios,
Proclamando o valor de teus brios,
Reproduzem batalhas cruéis.
No presente és a guarda avançada,
Sentinela indormida e sagrada
Que defende da Pátria os lauréis.

Do futuro és a crença, a esperança,
Desse povo que altivo descansa
Como o atleta depois de lutar...
No passado o teu nome era um mito,
Era o sol a brilhar no infinito
Era a glória na terra a brilhar!

A República é filha de Olinda,
Alva estrela que fulge e não finda
De esplender com seus raios de luz.
Liberdade! Um teu filho proclama!
Dos escravos o peito se inflama
Ante o Sol dessa terra da Cruz!"


Ser Pernambucano é:

Poder dançar um frevo em Olinda e se orgulhar em dizer que é nosso,ou,defender o frevo mas não saber fazer 1 passo (eu sei!);
Ir ao Recife antigo e poder constatar que todo aquele patrimônio arquitetônico é nosso;
Participar de uma ciranda, e não tá nem aí pra quem tá de fora olhando;
Ouvir Alceu, Chico, Luis Gonzaga, Lenine e outros tantos e poder dizer "É meu conterrâneo";
Tomar um caldo de cana no centro da cidade;
Ir assistir um filme no São Luiz;
Receber a seleção de futebol, como recebemos em 94, de braços abertos;
Ter orgulho do nosso São João que é o maior e melhor do mundo e saber que nessa época todas as atenções estão voltadas para nós;
Considerar Reginaldo Rossi Rei;
Acreditar que Recife é mesmo a "Veneza Brasileira";
Amar as pontes do Recife;
Achar que o "Galo da Madrugada" é o que há de melhor no carnaval, afinal de contas é o maior bloco do Mundo de acordo com o Livro dos Recordes;
Encher os olhos d'agua com aquele sorriso no rosto e até se tremer de emoção só de falar do carnaval de Olinda;
Passar no Mercado da Ribeira em pleno carnaval na certeza de que vai encontrar o pessoal;
Saber o significado das palavras "pirangueiro","pantim","mangar" e "lascou";
Achar que José Pimentel é a cara do Cristo;
É chamar Painho e Mainha para visitar Voinho e Voinha;
Adorar bolo-de-rolo e suco de pitanga, e ter orgulho de saber que só aqui existe bolo Souza Leão que é uma famíla pernambucana;
Nunca usar artigo na frente de nome proprio: nada de A Maria, ou O Recife....;
Ir ao Alto da Sé em Olinda apenas para ver Recife ao longe e comer tapioca;
Saber a delícia que é um bolo de bacia com caldo de cana;
Correr no Parque da Jaqueira e depois se empanturrar de caldo de cana na saída;
Jantar olhando para a lua incrivelmente cheia e linda nos bares e restaurantes na beira do rio Capibaribe ou da praia de Boa Viagem;
Achar que Recife seria melhor se os holandeses tivessem permanecido e admirar Mauricio de Nassau mesmo sabendo pouco sobre ele;
Conhecer a história de Biu do Olho Verde e da Perna Cabeluda (eu conheci Biu do Olho Verde, e tive medo da Perna Cabeluda enquanto atravessava a ponte);
Subir o Morro da Conceição pra pagar promessa;
Freqüentar a praia de Boa Viagem em frente ao Acaiaca;
Ficar sempre dividido entre a beleza de Porto de Galinhas e a de Calhetas;
Saber distinguir entre o Maracatu do Baque Solto do Maracatu do Baque Virado;
Passar um tempo fora, chegar na capital e cantar: "Voltei Recife, foi a saudade que me trouxe pelo braço, quero ver novamente Vassouras na rua passando, tomar umas e outras e cair no passo..." (eu fiz isso, e chorei);
Nos orgulharmos dos nossos grandes literatos Pernambuco de João Cabral, de Manuel Bandeira, de Carlos Penna Filho, de Osman Lins, de Gilvan Lemos,Raimundo Carrero, Luzilá Gonçalves, Nélson Rodrigues, Josué de Castro, Paulo Freire, Gilberto Freyre... Entre tantos outros;
É sabermos da nossa importância na construção da história desse país, da nossa identidade cultural. Do nosso passado fundiário, dos nossos engenhos de açúcar;
Achar a torre de cristal do brennand a obra de arte mais bonita do mundo (disso não tenho dúvida);

É dizer de peito estufado que aqui nasceu o sentimento de pátria, e que somos o único estado da federação que optou em fazer parte dela, pois depois da guerra dos guararapes Pernambuco resolveu voltar a fazer parte do Brasil, a isso dar-se o nome de Restauração;

Saber que somos O Leão do Norte e que esse espírito libertário nos custou parte do nosso território, que hoje compõem os estados das Alagoas e Sergipe;

Saber que o movimento manguebit foi considerado pela crítica internacional o maior movimento cultural dos depois do Rock And Roll;

Dizer que os nomes das ruas de nossa cidade são os mais belos do Brasil, Rua da Aurora, Rua da Soledade, Da União, Da Saudade;

Saber que em Recife existe um das duas únicas pontes rotatórias do mundo a outra está na Holanda;

Dizer que o Brasil foi "descoberto" pelo navegador espanhol Pizon e que o primeiro desembarque europeu ocorreu no Cabo de Santo Agostinho,(segundo historiadores modernos quase três meses antes da chegada das caravelas de Cabral à Bahia, portanto - o navegador espanhol Vicente Yáñez Pinzón teria aportado na costa pernambucana. Ao desembarcar numa ponta da atual Praia do Paraíso, em Pernambuco, o navegador batizou-a de Cabo de Santa Maria de la Consolación e lavrou o termo de posse. O documento só não foi oficialmente reconhecido devido ao Tratado de Tordesilhas, assinado em 1494 por Espanha e Portugal, dividindo entre as duas potências territórios conhecidos ou por descobrir. Pelo acordo, as terras na altura do Cabo de Santa Maria pertenceriam aos portugueses, que delas se apossariam 86 dias depois. Só em agosto de 1501 eles chegaram ao ponto provavelmente visitado por Pinzón. Santa Maria de la Consolación seria substituída por Santo Agostinho.http://epoca.globo.com/especiais/500anos/esp20000124.htm) muito antes de Cabral chegar à Bahia;

Falar visse no final de cada frase (pois é visse!);
Dar mais importância pro campeonato pernambucano de futebol do que qualquer campeonato nacional, pois futebol é só sport, náutico e santa cruz;
Tomar café da manhã (macaxeira com charque) no Mercado da Madalena depois da noitada (já fiz muito isso, no brangantino);
Dizer: "É rocha !" , "É porque não dá mermo" , "Di cum força", "digai", "ta ligado!?", "oxente" entre outras...;
Tomar um banho no mar de Boa Viagem mesmo com placas de advertência de tubarão em todos os lugares;
Ah... Fazer a maior festa ao encontrar um conterrâneo em algum outro estado do país de uma forma bem calorosa;
E fazer qualquer coisa por um tiquinho de rapadura e/ou queijo coalho quando se mora fora do estado ou do pais;
Saber que Recife é um dos grandes pólos de informática do Brasil (Porto Digital, CESAR, essa é muito técnica, não?)
E ir a pra praia de Boa Viagem tomar um "caldinho ele e ela" pra curar: ressaca, gripe, dor de corno e cotovelo;
Ir pra o teatro assistir "Cinderela" com Jason Wallace e se identificar com o sotaque e as gírias usadas no espetáculo (ôxe mainha);
Vibrar com a chegada de Joana Maranhão na final das olimpíadas, pois desde 54 que nenhuma nadadora brasileira consegue tal feito (nesse dia cantei o hino de Pernambuco em vez do Brasil);
Ter a mania de dizer que tudo daqui é melhor! (e não é mesmo?);
Dizer de boca cheia que o shopping recife é o maior do Brasil (alguém duvida?)
Dizer que o Classic (ups... Chevrollet) Hall é a maior casa de show da América Latina;
Se emocionar ao ir ver uma luta de Mike Tyson na globo e ver um cara lá nos EUA com uma bandeira de PE na platéia;
Cantar frevo mesmo em carnaval fora de época (Recifolia);

Ir ao monte das Tabocas perto de Vitória de Santo Antão e passar horas imaginando como uma batalha naquele lugar "deu origem" a um lugar tão maravilhoso quanto Pernambuco.
Ter a maior avenida em linha reta do mundo - a Caxangá, no Recife;
Ter a maior feira ao ar livre do mundo - a de Caruaru;
Ter também o maior teatro ao ar livre do mundo - Nova Jerusalém, no município de Fazenda Nova, onde é encenada na Semana Santa o espetáculo A Paixão de Cristo;
Ter a mais antiga sinagoga da América Latina - fica no velho bairro do Recife situado na ilha de Santo Antônio. Sem falar que foram judeus recém-saídos do Recife que migraram para os Estados Unidos e ali fundaram Nova York (captou? NY é derivada do Recife);
Ir na inauguração do Classic Hall com asa de águia abrindo show com o hino de Pernambuco e se arrepiar e ver que todos ao seu lado estão chorando;
Ir pra Gravatá, Garanhuns... e se encher de casacos, luvas...independente do frio que esteja fazendo (se achando no inverno europeu);
Ter o maior paraíso do mundo e poder dizer com todas as letras:Fernando de Noronha é NOSSO!;
Rir das estórias sobre quando Tapacurá estourou (eu fui mandando pra casa na carreira pela diretora da escola João Barbalho e na rua todo mundo corria desesperado);
Usar camiseta, boné, botton coma bandeira do estado (que aliás,é a mais linda do país);
Saber cantar o hino do estado em todos os ritmos: forró,frevo,baião Enfim... é amar a nossa terra e defendê-la acima de qualquer coisa!;
E Amar a nossa comida: Bobo de camarão, Vatapá, Feijão de coco, sururu, rabada, buxada, mão-de-vaca, vaca-atolada, chambariu;
Ahhh é ter o Pernambuquês para ensinar às pessoas como falar como a gente!
Em Pernambuco:

Gente alta é galalau;
Baixinho é "Tamborete de zona",
Botão de ligar som é pitoco;
Se é muito miúdo é pixototinho;
Estouro aqui se chama pipoco;
Se for resto é cotoco;
Tudo que é bom é massa;
Tudo que é ruim é peba;
Rir dos outros é mangar;
Faltar aula é gazear;
Quem é franzino, é xoxo;
O bobo se chama leso;
E o medroso se chama frouxo;
Se está com raiva é invocado;
Confusão é rolo;
Se vai embora, diz "vou chegar";
Se não gostou é "ôxe, poxa";
Homem sem dinheiro é liso;
Fofoca é fuxico;
Moça nova é boyzinha;
Pernilongo é muriçoca;
Quem entra sem licença, emburaca;
Sinal de espanto é "vôte";
Tá de fogo, tá bicado;
Farra é gréia;
Chifre se chama gaia;
Quando está folgado, tá folote ou afolozado;
Quem tem sorte é cagado;
Pedaço de pedra é xexo;
Quem não paga é xexeiro;
O sovina é amarrado ou pirangueiro;
Coisa muita boa é arretada;
Se estou com raiva, tô arretado;
"Puxa vida!" é "eita pau!";
Quem não cumpre o prometido é fuleiro;
Sujeira de olho é remela;
Meleca se chama catota;
Cheiro de suor é inhaca;
Careta é muganga;
Corrente no pescoço é transcelim;
Desarrumado é malamanhado;
Pessoa triste é borocoxô;
"É mesmo" é iapôis";
Deu errado é "fudeu a tabaca de Xola";
Mancha de pancada é ronxa;
Briga pequena é arenga;
Tolice é leseira";
Coisa torta é tronxa;
Calça curta é coronha;
Dançar forró só se for bem acoxado;
Salgado é pia, e sem sal é insosso;
Sem açúcar é aguado;
E quem ta preocupada fica mesmo é Aperreada;
Barriga é buxo;
Impaciente, apressado é avexado;
Pois é assim que é, "visse"? -"e arrôi!" Eta terra boa danada.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home