3.1.07

Epístola ao futuro


Recife, 3 de janeiro de 2007.

Querido Futuro, tenho hoje 43 anos, no dia 1º de fevereiro faço aniversário, vivi uma vida regular, muitas realizações, muitos sonhos, muitas frustrações. Tenho diante de mim o resto da minha vida, mas o quanto ainda me resta viver?

Hoje eu acordei cedo, o sol iluminava o quarto, o vento que vinha do mar gelava a cama. Durante o banho, enquanto espalhava sobre o corpo o óleo que ganhei de presente, uma súbita pergunta me ocorreu. O que será do meu futuro? Mas que futuro, o mediato ou o imediato? Tenho coisas a fazer, e tenho que fazer logo. Estou no meio ou no fim da vida? São questionamentos que me afligem por minha total incapacidade de respondê-los.

Esse ano começo cumprindo uma antiga promessa de perder peso, finalmente tenho conseguido perder e não recuperar. Espero que no fim deste ano eu esteja pesando 80 kg, o que não é nada extraordinário, pois estou começando o ano com 91 kg.

Quero continuar investindo na melhoria da qualidade de vida. Pretendo fazer natação, todos dizem que é uma atividade que traz muitos benefícios à saúde, além de ser um ótimo calmante. Sou por natureza aperreado, um pouco de tranqüilidade me fará bem.

Resolvi criar uma agenda diária, algo a ser seguido, um roteiro para que eu possa aproveitar melhor meu dia, realizando tudo o que me proponho sem ter a sensação de que o tempo é insuficiente.

Este ano paro de trabalhar, algo insano talvez, mas muito necessário. Quero reservar o ano de 2007 para estudar. Quero ingressar numa carreira jurídica pública, algo que me dê a tão sonhada segurança. Quero poder planejar o futuro, ao menos no que diz respeito à aquisição de bens. Não é fácil cumprir metas como advogado, pois não há regularidade nem garantia de uma renda mensal. Há tempos em que se ganha muito, noutros nada, e viver controlando o que ganho para durar nos tempos ruins, é complicado para mim.

Continuo tentando aprender a surfar. Tenho tido algumas dificuldades nesse projeto, amo o mar, mas ele insiste em me derrubar, ou mesmo, impedir que eu me erga sobre a prancha. Mas não desisto, ainda vou curtir muitas ondas enquanto viver.

Meu coração finalmente aquietou, encontrei um amor, não um amor qualquer, e sim o amor da minha vida. Vou conquistá-la aos poucos, todos os dias. Vou esperar que ela esteja pronta para me amar.

Parei de beber. Pretendo perseverar nessa atitude, o meu fígado agradece. O chato é que tenho um clube do whisky (JW) com 2/3 de uma garrafa e meia grade de cervejas no Bar Boemia, tenho que convidar os amigos para consumir tudo. Eu ficarei só no guaraná.

Um projeto antigo que quero implementar é ter prazer em correr, se tivéssemos consciência dos benefícios da corrida regular, todos nós correríamos ao menos três vezes por semana, durante uma hora. Correr acaba com a depressão, estimula o humor, aumenta a libido e melhora o desempenho sexual, cura insônia, e por influir diretamente nos sistema cardiovascular e respiratório melhora o desempenho do cérebro, que com mais oxigênio trabalha melhor. Correr regularmente resulta numa melhoria da qualidade de vida.


1 Comments:

Blogger InfinitLoop said...

.
.
.
E que se faça um belo futuro!
.
.
.
.
.
.
Um beijo.

9:14 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home