17.8.05

Furacão!!!!!!

(Um temporal se formando)


Estou cansado, ainda não consegui dormir desde ontem, o dia foi intenso, muito trabalho, e no Tribunal de Justiça a velha burocracia de sempre, mas usando de simpatia e paciência se consegue a colaboração dos servidores, é um jogo de sedução onde você não pode perder o foco. Tenho me saído bem nesse campo.

Fui até a Escola da Magistratura para pegar as provas da Ordem que eu havia emprestado a uma amiga, mas ela furou novamente comigo, como sei que ela lê de vez em quando o que escrevo aqui aproveito para registrar meu protesto. Devolve minhas provas que eu tenho que estudar – Pronto - J

Estou decepcionado com o Ministério Público Federal, depois de um bom tempo sem abrir nenhum concurso para Procurador da República quando abrem exigem três anos de atividade jurídica, eu só tenho dois. Estou imaginando um jeito de burlar isto. Tudo bem alguém deve estar dizendo que sou louco em pensar que posso ser aprovado neste que é o mais rigoroso e concorrido de todos os concursos para as diversas carreiras jurídicas no Brasil. Mas eu penso que estou, e caso contrário seria interessante este tipo de avaliação para identificar em qual estágio me encontro.

A partir de hoje não mais falarei dela, pois isto a constrange e não quero vê-la constrangida. Agora vou pros braços de morpheus.

O texto a seguir foi escrito num guardanapo de papel, no bar do Aeroporto Internacional dos Guararapes, durante a madrugada enquanto aguardávamos a chegada de nosso amigo André que voltava da Espanha onde havia estado para titular-se Doutor pela Universidad Autônoma de Madri, é uma homenagem a todos os meus caros amigos.

Ao amigo distante

Estamos a esperar a chegada do amigo...
Vem da terra de Cervantes, traz consigo sua poesia.
Ele estudou na autônoma de Madri, visitou a Andaluzia.
Venha amigo André... Vem trazer tua alegria
Vem juntar-se a nós vem ouvir minha poesia
Vem amigo André receber de nós o abraço comovido
Vamos juntos caminhar pela estrada da vida
Lado a lado sejamos um ao outro: amigo
Vem amigo, vem...
Que tua alegria seja conosco dividida
Tua dor, por nós sentida...
E se tu chorar...
Que nossa lágrima é que seja vertida.
Vem André sejamos amigos como crianças
Como os amigos de minha infância
Ah que saudade dos meus velhos amigos...
A onde foram...Por onde andam...Como estão?
Pudera eu morrer um dia todo dia
A meus amigos não mais rever

(Frederico Pereira)

2 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Você foi cruel! (Ela)

11:30 PM  
Blogger Frederico Pereira said...

Machucou?
Dá o pezinho...

8:10 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home