15.8.05

Reflexões

(Foto tirada da janela do meu quarto)

Às vezes damos muito espaço a emoção e deixamos de lado a razão. Hoje tive um dia corrido, a manhã toda preenchida com aulas, das 07:00 às 12:30 horas, saí correndo da faculdade para casa, almoço, banho, um terno azul escuro, camisa grafite e gravata preta com detalhes prata. Gosto de ternos escuros, tons discretos, gosto de estar adequadamente vestido para cada ocasião, formal para trabalhar, casual para sair e descontraído para estudar. E principalmente adoro ir ao Shopping de havaianas, bermuda e camisa hering de algodão, existe algo de rebeldia nisso, o que eu não sei.

Havia um atendimento para as primeiras horas da tarde e a cliente chegou na hora marcada, mais uma pensão, mas um conflito familiar, muita atenção para ouvir, muito pouco a dizer, anotações, um pouco de psicologia e no final, no rosto da cliente antes perturbada, um sorriso de confiança, vamos assumir o caso. Reunião com o chefe para relatar o atendimento, discussão da estratégia a adotar e uma visita ao Fórum do Recife, tínhamos um prazo para dar entrada e um processo para dar andamento. Esforços infrutíferos, o prazo é para amanhã e o juiz foi ao médico.

De volta ao escritório uma rápida organizada na agenda e a certeza de que amanhã o dia deverá ter 48 horas. Já em casa a rotina de sempre, ver e-mail, Orkut e escrever minhas impressões. Então resolvi olhar o Blog dela. Fiquei observando cada foto como se fora a primeira vez, tentei compreender cada sentimento ali eternizado. Confesso que me senti um intruso, um penetra em uma festa para a qual não fora convidado. Senti-me um usurpador. Resultado disto é que estou me sentido culpado. Julgado, condenado e sem direito a recurso. Fico me perguntando se não estou causando algum mal a quem quero o bem.

Amanhã começo a escrever minha monografia de final de curso, agora com o novo tema, A conversão da união estável em casamento no novo código civil. Espero que o tempo seja suficiente para todo o trabalho. Mas fiquei feliz com a minha coragem em mudar o tema e começar do zero, afinal este novo tema é muito atual e intrigante, além de inédito.

Sinto que estou motivado para seguir adiante com os meus projetos, pretendo focar minha atenção nisto. O coração está um deserto, o corpo carece do carinho dela, o que antes era apenas uma projeção hoje é um sentimento real, conheço o seu toque, o gosto do seu beijo, o calor de suas palavras, e fica cada vez mais difícil não pensar nela.

Mas tenho a compreensão de que o momento atual é de observação, saberei lidar com esses novos sentimentos, vou seguir no meu caminho e talvez em alguma momento da caminhada eu a encontre e ande com ela alguns passos. No momento não há espaço para expectativas, planos ou projetos para nós dois. Talvez nunca haja um amanhã para o nosso encontro, tenho consciência disso e não sofro. Aprendi a ser grato pelo momento vivido, pois mais vale um instante de felicidade a uma eternidade de busca.

Queria saber tocar um instrumento e cantar para ela...


Tocando em Frente
(Almir Sater/Renato Teixeira)


Ando devagar
porque já tive pressa
E levo esse sorriso
porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte,
Mais feliz, quem sabe,
Eu só levo a certeza
De que muito pouco sei,
Ou nada sei
Conhecer as manhas e as manhãs
O sabor das massas e das maçãs
É preciso amor
Prá poder pulsar
É preciso paz prá poder sorrir
É preciso chuva para florir
Penso que cumprir a vida seja simplesmente
Compreender a marcha e ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro levando a boiada
Eu vou tocando os dias pela longa estrada, eu sou
Estrada eu vou
Todo mundo ama um dia, todo mundo chora
Um dia a gente chega e no outro vai embora
Cada um de nós compõe
A sua própria história
E cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz
De ser feliz.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home