29.11.05

Homens & Mulheres - Sexo no casamento


Sempre que estamos, os amigos, reunidos numa mesa de bar discutindo temas de grande importância para o destino da humanidade, alguém faz a célebre pergunta: "existe vida após o casamento?", é bom salientar que por vida entenda-se sexo, tesão, prazer.

Recentemente recebi, de uma amiga de Brasília, um texto atribuído a Fernando Veríssimo, falando das relações no casamento (leia no final), fiquei intrigado com o tema e resolvi dar minha contribuição ao debate, não que isso seja de grande valia.

Uma coisa é certa, homens e mulheres são diferente em muitos aspectos, nesse particular creio haver consenso. Muito já se falou da motivação sexual para o homem e para a mulher, mas deixemos isto de lado. Pensando no casamento, não o contrato civil de repercussões patrimoniais, nem a celebração religiosa que repercute no âmbito do espírito, da moral, mas sim da união estável entre homem e mulher, não necessariamente sobre o mesmo teto. Mas especificamente aquela relação onde predomina a estabilidade, a segurança e até mesmo o sentimento de posse para com o outro.

Neste estágio da relação, fica nítida a impressão, se não a certeza absoluta de que já se conquistou o ser amado, seguindo-se para uma etapa maior, a construção dos alicerces da convivência. É exatamente neste momento em que se situa a minha abordagem. Homem e mulher sentem-se seguros de que conquistaram o seu amor.

Obviamente minhas impressões são frutos de uma experiência pessoal, até porque não sou nenhum tipo de estudioso do comportamento humano, nem de suas relações. Mas vivi uma relação estável de quinze anos, e muito do que sei da vida aprendi nesse relacionamento. Uma coisa que me parece evidente é que nunca podemos deixar de conquistar, nunca podemos deixar de seduzir, mesmo depois de anos de extrema intimidade, é indispensável agir como quem quer descobrir-lhe os segredos, conhecer suas vontades, principalmente aquelas não verbalizadas. Uma relação pode ser muito prazerosa se ambos assumirem uma postura que conquista do outro a cada momento, mesmo "sabendo" todas os caprichos e desejos do outro. Aprendi, talvez tardiamente, que seduzir a mesma mulher por toda a vida é mais prazeroso que seduzir muitas por algum tempo. Afinal o desafio no primeiro caso é muito maior, pois exige muito da criatividade, senso de observação e de oportunidade.

Tudo é uma questão de posicionamento, afinal quando estamos no início de um relacionamento conseguimos sentir tanto prazer em conquistar o ser querido, então por quê não continuar com essa motivação para toda a vida? Eu já ouvi alguns amigos dizerem que o casamento é melhor maneira de acabar com o sexo entre duas pessoas. Imagino que se nós homens permanecermos os mesmos sedutores dos tempos da conquista, as mulheres corresponderão a altura esta investida, então depois de alguns ajustes entre o casal a vida afetiva e sexual será uma verdadeira explosão de prazer e satisfação.

É preciso olhar para o outro não como alguém de quem se conhece a intimidade, mas sim como de quem se quer descobrir os desejos, mesmo que tenhamos a impressão de conhecê-los todos. Imagino como seria mais barato se muitos senhores casados ao invés de arrumar amantes e cobri-las de presentes o fizessem com suas esposas, quantos litígios seriam evitados, e quantos patrimônios mantidos. Vejo alguns casos onde o homem prefere gastar fortunas com jovens amantes podendo investir na sua amada esposa, motivando-a a permanecer a mesma mulher que lhe despertou o desejo em outros tempos. É claro que as mulheres também podem agir nesse sentido, investindo em sua relação, seduzindo, despertando o interesse do companheiro, descobrindo-lhe os desejos, sendo-lhe a amante ardente e dedicada.

É claro que tudo isto só faz sentido se houver amor, e amor no meu entender é uma planta que carece de muito cuidado e atenção. É imprescindível investir no amor para que ele não esmoreça e definhe, há que se ter um espírito de namorado para nunca perder de vista os pequenos detalhes que fazem uma relação apaixonada e apaixonante. Homens sejam sedutores, cavalheiros, viris e dedicados, como se dentro de cada um existisse um Don Juan. Mulheres sejam sedutoras, femininas, ardentes e dedicadas, como se dentro de cada uma existisse uma mulher fatal. Creio que esta seja uma das muitas fórmulas possíveis para uma relação prazerosa de longa duração.

Mas tenho a plena convicção de que uma vez que o amor acabe, nada o fará voltar, então neste caso é preferível seguir cada um o seu caminho em busca de uma nova relação de amor e prazer.

1 Comments:

Anonymous Menina _marota said...

"...É claro que tudo isto só faz sentido se houver amor, e amor no meu entender é uma planta que carece de muito cuidado e atenção."

Concordo completamente!
Mas muita gente, entende o amor num relacionamento estável, como a base dessa estabilidade ser o sexo!
Não é!
O Amor, o verdadeiro amor, pode não ter como base somente o sexo. Não por ele não ser essencial, mas por vezes abdica-se dele (apesar de se desejar...)por motivos demasiado fortes e reais...
Mas o relacionamento continua, numa outra base, por vezes muito mais forte.
Acredite. Sei do que falo!
É errado pensar-se que o sexo é tudo num relacionamento, porque não é, quando existe carinho, Amizade verdadeira e, acima de tudo, respeito, por quem faz parte da nossa vida. Respeito pelas suas próprias carências...
Gostei de ler este texto, apesar de achar que lhe falta algo muito essencial... o afecto verdadeiro entre duas pessoas, que pode ultrapassar a ausência de sexo...

Um abraço bloguista e bom fim de semana :)

8:15 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home